Velha aos 40 ou como nasce a infertilidade

Dizem que os 40 são os novos 30. Já dizem isto há uma carrada de anos e eu convenci-me que realmente eram. Mas, não. 40 são 40. Em muitos aspectos ainda são como os 30. Muitas vezes é nesta altura que muitos de nós estão a começar ou a recomeçar a sua vida. Novos trabalhos, novos amigos e novas relações. Muitas destas coisas são vividas como se tivéssemos 30 anos e algumas até como se fossemos ainda uns miúdos de 20. É nesta altura que muitos começam a ponderar o que ficou para trás e a fazer uma avaliação mais profunda da sua vida. Dizem que são as crises de meia idade, a ternura dos 40.

Posso dizer que entrei nos 40 completamente tranquila, é o que dar estar constantemente a avaliar as situações e a acertar o rumo das coisas. O recomeçar que tem sido a minha vida não deixa muito espaço para arrependimentos, pelo contrário, deixa-me a certeza que neste momento estou onde queria estar.

Não gosto particularmente da comemoração dos aniversários mas foi um prazer conseguir juntar a minha família para comemorar a entrada dos 40. Não queria ter passado de outra forma.

40 bolas de Berlim. Uma por cada ano vivido.
40 bolas de Berlim. Uma por cada ano vivido.

Então se está tudo bem, porquê o título deste post? Ora bem, porque não é verdade que os 40 são os novos 30.

Estou a falar de fertilidade.

Isto é um blog sobre maternidade e não faz para mim qualquer sentido fazer os 40 e não vos falar de fertilidade.

Especialmente agora, que estamos a viver por aqui uma alegria tão grande com a gravidez da Bárbara, quis falar do outro lado. O lado da não gravidez.

A infertilidade é um problema que, infelizmente, muitas mulheres se deparam e cada vez mais cedo. Todos nós conhecemos ou presenciámos situações em que a concepção de um bebé foi muito difícil ou impossível.

O que poucas de nós sabem é que a infertilidade chega também com os 40 anos.

A partir dos 40, os órgãos reprodutores da mulher e passo a citar a minha ginecologista: são de uma mulher madura.

O que isto realmente significa? É que as nossas entranhas estão velhas e mais uma década e morremos por completo cá dentro. 

Isto dito assim é um bocado assustador eu sei mas, não deixa de ser verdade.

Eu considero-me uma pessoa minimamente informada mas tenho-vos que confessar que não tinha ideia que a partir dos 40 a probalidade de uma mulher engravidar desce para os 50% e que embora se continua a ter a menstruação isso não significa que realmente tenha existido ovulação nesse mês.

A todas as mamãs que estão grávidas ou tiveram bebés depois dos 40, os meus parabéns! Vocês contrariam todas as estatísticas e são as minhas heroínas.

É normal que duas situações ocorram nesta idade. Se ainda não se tem filhos a história do ‘tens de te despachar’ e se já tiveres é mais ‘já está na altura de lhe dares um irmão’.

Ora bem meus caros, nem sempre a maternidade é uma escolha. Nós não pensamos e ficamos grávidas. As coisas não acontecem assim do acaso.

Eu muitas vezes disse a mulheres já nos seus 40 anos: ‘Ainda és tão nova, podes ainda ter (mais) filhos.’

Desculpem-me. Não sabia o que dizia. Não sabia que nesta fase a Natureza está contra nós mulheres.

E de repente os 40 não são os novos 30, são mesmo 40 anos. Com tudo o de bom que podem trazer mas com tudo de mau também.

Anúncios

3 thoughts on “ Velha aos 40 ou como nasce a infertilidade

  1. Sim, aos 40 a fertilidade baixa…mas também aumenta a probabilidade de uma gravidez gemelar 😉
    A infertilidade é uma doença, deve ser encarada como tal e não como uma fatalidade, existem tratamentos, existem exames de diagnóstico, existem boas equipas médicas. Ao fim de três anos de tentativas, fui finalmente encaminhada para uma consulta de fertilidade e tive um diagnóstico…podia tê-lo tido ao fim de um ano e pouco e não ao fim de três e meio, porque ainda há muita gente, médicos incluídos, que dizem a mulheres com 30 e poucos para terem calma, para relaxarem, para esperarem e com isto passam-se anos e, muitas vezes até pode não haver nenhuma condição física. Mas quando há algum porblema, quando se percebe que existe uma doença chamada infertilidade é que se percebe que os anos passados “a relaxar” podiam ter sido usados para fazer tratamentos que levassem a uma possível gravidez. É isto que me dana na forma como é tratada a infertilidade: com demasiados tempos de espera…e, tal como se diz neste post, o corpo da mulher muda com a idade e naturalmente a fertilidade baixa. Felizmente, e em muito graças ao papel e trabalho da Associação Portuguesa de Fertilidade, as coisas têm mudado…para melhor (a propósito, fui mãe aos 41 de forma espontânea, sou então do contra, eeheheh, beijinhos)

    Gostar

    1. Adoro pessoas do ‘contra’ e com histórias de sucesso! Acho que existem muitas histórias de infertilidade mas na realidade fala-se pouco sobre isso. É tão importante partilhar as boas histórias e as mais infelizes, todas fazem parte de nós. Beijinhos

      Gostar

      1. Olá eu sou filha de uma mãe que me teve aos 41. E pensava ela que era a menopausa, contudo, passados 9 meses deparou-se com uma bela “moçoila” EU. Passados 36 anos sou eu agora mãe, de 2 belas moçoilas (2 e 5 anos). Vou tentar um terceiro, vamos ver se não deixo para os 40. Só quero que saibam que apesar da minha mãe me ter tido aos 40 (quase a fazer 41), senti e ainda sinto que a minha mãe teve mais tempo para mim, pois aos 50 ela já estava reformada, assim acompanhou-me mais do que ao meu irmão. Portanto, vivam todas as mulheres que são mães depois dos 40. Beijinhos

        Liked by 2 people

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s